12/04/2010

O Uso de Pós Mágicos

"Os pós mágicos são um dos elementos mais conhecidos da feitiçaria. São lendárias as propriedades de bruxaria feita com recurso a pós mágicos especialmente preparados de acordo com fórmulas místicas e em rituais esotéricos. Divulgamos por isso ancestral magia dos pôs mágicos, seus rituais e formulas mágicas..."
http://i204.photobucket.com/albums/bb124/paulolima01/Fotos/ervastemperos.jpg
Os pós mágicos podem ser compostos pelos mais diversos ingredientes de origem vegetal, animal e mineral - reduzidos a pó. As fórmulas são concebidas com base nas propriedades destes ingredientes e em função do objectivo que se deseja atingir. É sabido que as plantas e os cristais detêm certos poderes, não só pelas suas propriedades intrínsecas como também pelo simbolismo que a eles se associa. Os pós mágicos são uma forma concentrada de obter estes benefícios. Além de serem compostos por ingredientes muito bem escolhidos, estes pós são habitualmente "encantados" através de um ritual. Neste ritual é feita a atribuição de poder - a projecção da intenção - que irá orientar a sua energia para um objectivo específico.

Como Usar um Pó Mágico?
Os pós mágicos podem ser polvilhados ou incluídos na preparação de outras poções. Também servem na confecção de amuletos e para consagração de objectos ou espaços. Literalmente, servem para "encantar" tudo o que tocam. Seguem-se algumas das formas de utilização mais simples.

Polvilhar
Polvilhar consiste em espalhar uma pitada de pó mágico sobre aquilo que se deseja influenciar. Pode, por exemplo, polvilhar a caixa registadora do seu estabelecimento para que os ganhos aumentem. Um pó mágico de cura pode ser usado sobre uma pessoa ou sobre a sua representação - uma fotografia, um objecto pessoal, etc. Os pós de protecção e banimento costumam ser polvilhados nas casas, à entrada e nos acessos. O acto de polvilhar pode ou não ser acompanhado de orações ou palavras específicas, dependendo de cada praticante.

Incenso
Os pós mágicos podem ser queimados como incensos, sobre uma placa de carvão litúrgico ou directamente no fogo. Nos tempos idos, todas as casas tinham uma lareira ou "zona de fogo" onde as brasas eram mantidas em permanência. Nesses tempos cada um podia sentar-se em frente ao fogo e entrar em comunhão com o verdadeiro Fogo da Vontade, muitas vezes ao som de ladaínhas murmuradas baixinho, à medida que se ia deitando pitadas de pó mágico nas chamas.

Velas As velas que se usam para orações e rituais ganham muito se forem preparadas com pós mágicos. O processo é muito simples: Material: 1 colher de chá de óleo vegetal (pode ser óleo litúrgico especial ou óleo simples de fritura) 1 colher de café rasa de pó mágico 1 folha de papel 4 Velas - Molhe um dedo no óleo e besunte ligeiramente cada uma das velas. - Espalhe o pó mágico por cima da folha de papel. - Role as velas sobre a folha de papel, fazendo o pó mágico aderir a todos os lados (como se fosse um panado). - Ajuste as quantidades de pó e de óleo no caso de usar mais ou menos velas. As velas assim preparadas transformam-se em verdadeiros objectos de poder que, ao arderem, libertam toda a energia contida no pó. Consagração de Objetos Os pós mágicos também servem para consagrar objetos. Por exemplo, um talismã para boa sorte pode ser preparado com a ajuda de um pó. Para tal, polvilha-se o objeto, geralmente no contexto de um ritual.

Pós Mágicos Comestíveis A cozinha, cujo centro é o "Fogo Sagrado do Lar", sempre foi também o centro das práticas mágicas. Não é, portanto, de estranhar que os pós mágicos sejam o tempero de muitos pratos especiais. Nos dias que correm já poucos se lembram porque é que certas ervas e especiarias entram em determinados pratos tradicionais - é verdade que são saborosas, mas não é só por isso! Preparar os alimentos era, em si, um acto mágico - e isto torna-se ainda mais verdade quando se trata de pratos festivos que são, como quem diz, comida ritual ou sagrada. Um exemplo disto é o arroz doce, uma sobremesa típica dos casamentos - devidamente polvilhado com canela, símbolo do amor e da prosperidade.

Pó Mágico para Saúde
-2 partes de eucalipto; - 1 parte de pinho; - 1 parte de alecrim; - 1 parte de salsa; - 1 almofariz. Pegue num almofariz, coloque as plantas dentro e reduza-as em pó num pó muito fino. As plantas deverão estar bem secas (ao abrigo do sol e da humidade). Diga o seguinte encantamento: “Que estas ervas me mantenham em boa saúde, Ervas verdadeiramente encantadas, As constipações, as tosses e os males não entrarão, Pois as ervas para me proteger cá estão”. Coloque um pouco deste pó, nos seus lençóis, no fundo do seu armário da roupa. Ande com um pouquinho deste pó consigo, numa bolsinha de tecido. Pode guardar o que sobrar dentro de um frasco bem fechado, ao abrigo da luz.

Pó Mágico do Amor
Este pó mágico, é um pó para ser usado em rituais de amor. - 15 gr de benjoim; - 15 gr de canela; - 15 gr de galangal; - 15 gr de cravo-da-india; - 15 gr de olíbano; - 30 gr de mirra; - 3 gotas de óleo de orquidea; - 3 gotas de óleo de lótus; - 3 gotas de óleo de rosa; - 3 gotas de óleo de jasmim; - 3 gotas de mel; - 1 pitada de sementes de iris secas. - 1 vela vermelha ou rosa; - 1 tigela de vidro. Prepare este pó numa sexta-feira numa noite de Lua Nova, á luz da vela. Coloque na tigela o benjoim, a canela, o galangal, o cravo-da-índia, o olíbano e a mirra. Misture tudo muito bem, com as suas mãos. De seguida adicione o mel, os óleos e as sementes. Misture tudo, e diga: “Pelo antigo poder de Ísis, Deusa suprema de muitos nomes, Deusa do amor e da maternidade divina, Eu consagro e dedico este pó, Como instrumento de magia do amor, Pelo poder do sol, Pelo poder da lua, Que este pó do amor seja carregado, Do poder de Ísis, Grande Senhora de todos os mistérios, Grande Senhora da magia, Grande detentora dos segredos místicos, Abençoado seja sob os nomes de Ahio, Ariaha, Arainas e Kha, Que assim seja feito, Para eu encantar meu eleito!” Tape a tigela para que fique muito bem fechada e guarde-a em local escuro, até á lua nova seguinte. Nessa altura, moa os ingredientes com o almofariz e o pilão, até obter um pó bem fininho. Utilize este pó em rituais de amor, como “pó de amor”. Também pode usar este pó como um incenso para atrair o amor, ou seja, pegue numa pastilha de carvão e faça-a arder com uma pitada deste pó.

Pó Mágico para Dinheiro
Este pó mágico destina-se a concretizar desejos de ordem material. É um ritual mágico em que você faz o seu pó mágico, que visa ajudar a resolver a sua situação económica e finaceira. - 2 grandes taças; - 1 colher de madeira; - 1 passador; - 1 pitada de tomilho ; - 1 pitada de dente-de-leão; - 1 almofariz; - 1 vela verde - 1 pauzinho de incenso de verbena. Faça este ritual de realização de pó mágico em fase de Lua Crescente. Acenda a vela e queime o incenso. Coloque as ervas no almofariz e com o pilão reduza-os a pó bem fino. Trabalhe erva a erva, separadamente, pensando no seu desejo. Depois, coloque todos os ingredientes reduzidos a pó, em partes iguais, dentro de uma das taças. Mexa-os com a colher de madeira até obter uma mistura homogénea. Com a ajuda do passador filtre o pó obtido para dentro da 2ª taça, afim de obter o mais fino pó. Pegue no seu pó e vá para para um jardim, um parque, um campo, em que possa estar tranquila/o. Pegue no pó em sua mão, olhe para ele e baixinho, diga o seguinte: “Eurus, Notus, Zephyrus, Boreas, Chefes dos quatro ventos, eu vos conjuro, Peguem nomeu desejo e materializem-no, Senhores dos ventos, Confio-vos a tarefa de ... (diga o que quer). Que assim seja feito.” Uma vez feito o seu encantamento, disperse o pó aos quatro ventos. Deixe os ventos levarem o seu pedido, para lhe trazerem o seu desejo realizado. Nota: tem de especificar muito bem o seu desejo e a forma como quer que se realize. Só pode fazer um desejo a cada ritual!

Mágico para Prosperidade 1 - Uma parte de folhas de eucalipto - Uma parte de louro - Uma parte de manjerona Triturar as ervas -que devem estar secas- num morteiro, mentalizando enquanto o faz, o propósito para o qual serão usadas. Colocar todos os dias um pouquinho na entrada da casa, do negócio, na carteira ou em todos estes lugares. Deve ser guardado num vidro transparente, mas não em lugar escuro.

para Prosperidade 2
A cada início de mês - no dia 01, é dia de magia, dia de usar a canela de forma auspiciosa. De que forma? Basta colocar um punhado de canela em pó na palma da mão e na porta de entrada da casa soprar a canela desejando que a prosperidade entre porta a dentro! As palavras que são faladas, o sentimento, a energia concentrada nesse momento são por sua conta! Gosto de imaginar que junto com a prosperidade vem outras coisas boas, de mãos dadas. Deixo o vento espalhar a canela porta a dentro e o delicioso aroma invadir o ar! Não tem hora certa pode ser de manhã, tarde ou noite. Que a prosperidade entre porta a dentro no dia 1º e espero ansiosa até o próximo mês, porque o aroma da canela deixa uma saudade no ar...






ARQUEOLOGIA BÍBILICA - ANTES DO NOVO TESTAMENTO

Não é difícil perceber o quanto os contos e culturas de outros povos influenciaram os escritores da Bíblia.

Durante o Exílio na Babilônia em 586 a.C. os Judeus tiveram seu Templo destruído. Exilados na Babilônia tiveram mesmo assim sua crença tolerada e liberdade de culto. Mas sem terem a principal referência para devoção, eles iriam escrever a Bíblia para que servisse de instrumento de união para seu povo. Nelas, seus contos antigos e histórias de Reis juntamente com as lendas, mitos e leis da Mesopotâmia serviriam de inspiração para muitas de suas histórias bíblicas.

Entre a conquista e a influência grega na Judéia até a chegada de Jesus, entre o Antigo Testamento e o Novo Testamento há um vácuo na história da Bíblia.

Nos tempos que se seguiram após o período dourado do Antigo Testamento, foi peixe grande engolindo peixe pequeno. Quando o rei Ciro da Pérsia conquista a Babilônia em 539 a.C. a Judéia se torna colônia da Persia de 538 a 332 a.C. e oprimidos pela Grécia que toma o império da Persia, de 332 a 141 a.C. Judéia se torna colônia Grega.

Neste período toda aquela região sofreria grande influência Grega, na maneira de pensar como Filosofia, e na maneira de cultuar deuses com sua mitologia, e na escrita e novamente o Império Romano conquista o Império Grego, e na Judéia com intervenção romana de Pompeu em 63 a.C. ganham mais um novo opressor.

Os Romanos não deixaram de cultuar os deuses gregos e de admirar sua filosofia.


OS BONS ENSINAMENTOS DA FILOSOFIA GREGA ANTES DE JESUS


Haviam filósofos que acreditavam ter as respostas para se alcançar a vida eterna, para entender Deus, para se relacionarem bem com o próximo e qual conduta de vida seguir.

Quatro séculos antes da "história de Jesus" ser narrada, Platão já questionava as narrativas alegóricas com a intenção de ensinamentos morais e que eram muito comuns àquela época :

... quem é novo não é capaz de distinguir o que é alegórico do que não é.”

Do livro de Platão - República
Entre eles Sócrates o pai da Filosofia, foi acusado por algumas pessoas influentes na sociedade Grega que se incomodavam com sua maneira de ensinar, e sendo julgado preferiu morrer para que seus bons ensinamentos fossem reconhecidos.

Teve seu pensamento difundido por discípulos, entre eles Anthistenes de Atenas e o conhecidíssimo Platão.

Não é difícil entender que esses contos alegóricos acabaram recebendo credibilidade como fato verídico e viraram religião.

A RELIGIÃO GREGA ANTES DE JESUS
O que para nós hoje, é MITOLOGIA, para os gregos era RELIGIÃO. e essas religiões influenciaram também o território que conquistaram, entre eles o da Judéia.

A história dos deuses nascem de contos alegóricos .

Haviam vários deuses adorados e que se acreditava, realizavam milagres fantásticos, não como os que se vê hoje em dia, mas sim milagres como ressuscitar mortos, ou curar doenças que hoje são facilmente resolvidas pela medicina moderna e haviam pessoas de carne e osso que se preocupavam em dar bons ensinamentos. Eis alguns :


Mito que também foi muito cultuado. Nascido por interferência do deus maior para os gregos no ventre de uma mulher. Como na imagem ao lado, também é figurado montado em cima de um jumentinho. Transformou água em vinho e o vinho era o seu sangue.

... quem é novo não é capaz de distinguir o que é alegórico do que não é.”

Platão, século IV a.e.c.

ASCLÉPIO (ESCULÁPIO)

Cultuado como um ser bondoso que ressuscitou os mortos e curou os enfermos.

Tão respeitado foi seu culto, que até nos dias atuais, é reconhecido como ser mitológico mas apenas simboliza-se o seu cajado e a serpente enrolada nele como símbolo da Medicina moderna.

... quem é novo não é capaz de distinguir o que é alegórico do que não é.

Platão, século IV a.e.c.


ADÔNIS (DUMUZI, ADONAI, OU TAMUZ PARA OS SEMITAS)

Filho do incesto de um Pai (rei Téias ) enganado por sua filha (Smirna). Smirna é transformada em árvore pelos deuses, e da casca dessa árvore nasceu Adônis (Adonai que quer dizer Senhor em Aramaico, conhecido também por Tamuz)

Para dividir a companhia com as esposas Adônis morre no inverno descendo aos infernos (mundo Inferior) para juntar-se a Perséfone e ressuscita à Terra na primavera para juntar-se a Afrodite.

Com estações do ano bem definidas no hemisfério norte, a ressurreição dos deuses na primavera após um período de inverno rigoroso celebra a renovação da vida da semente "morta" que espera brotar do solo (descida ao inferno).

I Corintios 15, 35 Mas alguém dirá: Como ressuscitam os mortos? e com que qualidade de corpo vêm?
Insensato! o que tu semeias não é vivificado, se primeiro não morrer.
E, quando semeias, não semeias o corpo que há de nascer, mas o simples grão, como o de trigo, ou o de outra qualquer semente.

Isso nada mais é que um exemplo de alegoria Cristã copiado dos cultos pagãos do mesmo período.

Não seria demais lembrar que a primavera no hemisfério Norte se inicia no período que se comemora a Páscoa, a ressurreição do Cristo.

Período aproximado entre 593 a 571 a.C. no livro de Ezequiel 8:14 Então me disse: Viste, filho do homem, o que os anciãos da casa de Israel fazem nas trevas, cada um nas suas câmaras pintadas de imagens? Pois dizem: O Senhor não nos vê; o Senhor abandonou a terra.
Também me disse: Verás ainda maiores abominações que eles fazem.
Depois me levou à entrada da porta da casa do Senhor, que olha para o norte; e eis que estavam ali mulheres assentadas chorando por Tamuz.

Tamuz hoje é apenas o quarto dos doze meses do calendário judaico. Tamuz dá início à estação" (tekufá) do verão.


Tamuz (ou Dumuzi - deus sol) é o filho do deus que na mitologia Suméria morreu, desceu ao inferno e ressuscitou.

Esse mito deu origem ao Persa Mitra (Sol Invictus adorado pelos Imperadores Romanos até o período de Constantino - Pode-se ler isso na figura ao lado) que nasceu em uma gruta, seu nascimento era comemorado dia 25 de dezembro (solstício de inverno naquela região), tinha discipulos, morreu e ressuscitou.

... quem é novo não é capaz de distinguir o que é alegórico do que não é.

Platão, século IV a.e.c.


OS MILAGRES DA BÍBLIA

Outras curas milagrosas também são encontradas no próprio Antigo Testamento. Por volta de 800 a.C., antes do exílio na Babilônia, é citado em I Reis 17, 22 que Elias ressuscitou mortos. Em II Reis 4, 42 cita-se que Eliseu multiplicou pães e em II Reis 5, 1 Eliseu curou leprosos.

E há uma explicação nada simpática sobre tanta preocupação com os cegos e coxos que seriam curados no Novo Testamento pelo descendente de Davi :

II Samuel 5, 6 Partiu o rei com os seus homens para Jerusalém, contra os jebuseus que habitavam naquela terra e que disseram a Davi: Não entrarás aqui, porque os cegos e os coxos te repelirão, como quem diz: Davi não entrará neste lugar.
Porém Davi tomou a fortaleza de Sião; esta é a Cidade de Davi.
Davi, naquele dia, mandou dizer: Todo o que está disposto a ferir os jebuseus suba pelo canal subterrâneo e fira os cegos e os coxos, a quem a alma de Davi aborrece.
(Por isso, se diz: Nem cego nem coxo entrará na casa.)




Fonte: http://biblianua.vilabol.uol.com.br/nvtestm.htm

O Despertar dos Chacras

Quando nos damos conta da existência daquela parte divina dentro de cada um de nós; quando descobrirmos com a emoção mais profunda do coração que nossa Divindade Íntima quer que desvendemos as esferas superiores de nossa Consciência; enfim, quando em nossas viagens internas começamos a responder à inteligência do Pai Íntimo, então sim, como filhos pródigos poderemos nos considerar um Deus, em potencial.

A investigação de nossa Alma nos faz conceituar que existem poderes que levariam nossa vida a uma mudança tão radical que os limites de nosso cotidiano se confundiriam com o ilimitado. Com o uso de sons vocálicos, mântricos, podemos conquistar nossa herança mágica, perdida num passado longínquo. Mantras são invocações sonoras que o mago utiliza para harmonizar seu corpo e seus Centros com as forças mais sutis da Natureza.

O homem possui ao todo 12 poderes, ou sentidos. Cinco sentidos físicos (olfato, audição, paladar, tato e visão) e sete suprafísicos, atrofiados na grande maioria de nós. Eventualmente, um ou outro sentido suprafísico se manifesta, dando-nos a certeza de que eles existem. Esses poderes são:

1. Clarividência
2. Clariaudiência
3. Intuição
4. Telepatia
5. Viagem Astral
6. Recordação de Vidas Passadas
7. Polividência

1. Clarividência: É a Terceira Visão. Com este poder, apresenta-se ante nosso olho interior todo o universo oculto, as dimesões superiores e inferiores, os elementais e os anjos, os corpos sutis, os desencarnados e as formas-pensamento. Desenvolve-se a clarividência despertando o chacra frontal (entre as sobrancelhas) e trabalhando-se a Ira. As virtudes para se despertar este chacra são paciência, serenidade e Imaginação consciente (não confundir com fantasia). A cor deste chacra é azul com matizes de rosa e prata. O mantra para seu despertar é INRI...

2. Clariaudiência: É o chamado Ouvido Interno ou Oculto. Com este sentido podemos escutar a voz dos desencarnados, dos Mestres, a Música das Esferas, compreender cada palavra pronunciada, valorizar a virtude do amor à Verdade e compreender as Leis de Causa e Efeito. O chacra deste sentido é o Laríngeo, situado na base da garganta. Suas cores são índigo e prata. O mantra é ENRE...

3. Intuição: É a voz divina que nos fala por meio do Cárdias, o chacra do coração. Com este sentido captamos o profundo significado das coisas e ficamos sabendo com antecedência o que fazer. Os místicos afirmam que este chacra desenvolvido nos dá também o poder da levitação (Jinas). A virtude para este chacra é o Amor. E a cor é o dourado. O mantra é ONRO...

4. Telepatia: Quando andamos pela rua, pensamos em alguém e logo passamos por ele; isso se chama captação de pensamento, e é despertado com as virtudes do respeito a tudo e a todos, a discrição, o não julgar ninguém. O chacra é o do plexo solar, na altura do umbigo. É chamado de Solar por ser o acumulador dos átomos ígneos, ou Prana, que vêm do Sol. Aclaramos que a Transmissão das ondas de pensamento se faz por meio do chacra frontal e a captação pelo solar. As cores são o verde e o amarelo.O mantra é UNRU...

5. Viagem Astral: Todos, sem exceção, saímos do corpo físico nas horas de sono. Nossos sonhos são vivências (quase sempre inconscientes) de fatos ocorridos no mundo astral, ou quinta dimensão. Quem de nós, em um dado momento, estando relaxados, de repente nosso corpo sente um leve choque, como que assustados? Na verdade, sem o saber, estivemos saindo gradativamente do corpo físico e voltamos bruscamente. Quando um indivíduo domina relativamente esse poder, consegue conversar com os mestres e todos os desencarnados, penetrar nos templos das igrejas elementais, viajar a qualquer lugar do mundo, acima e sob a terra. Quando todos os chacras, especialmente cardíaco, prostático e hepático, estão em perfeita sintomia com as forças sutis do Cosmos, a saída astral se torna mais consciente. A virtude é a Vontade e os defeitos a serem trabalhados são a preguiça, o medo e a gula. A cor é o azul celeste. O mantra é FARAON...

6. Recordação de Vidas Passadas: Essa função depende de um sistema nervoso equilibrado, ou seja, um cérebro e uma coluna vertebral carregados de energias transmutadas. Porém, os chacras ligados a esse poder são os pulmonares, que se situam na parte superior das costas. A virtude requerida para o despertar desse centro é a Fé consciente e serena. Trabalhando-se com os chacras pulmonares conseguimos absorver a experiência e o conhecimento acumulados de vidas passadas. A cor é o violeta. O mantra é ANRA...

7. Polividência: É a virtude dos atletas da meditação, dos adeptos do Êxtase espiritual, ou pré-Samadhi. O chacra coronário, o do topo da cabeça, é a porta de entrada e saída da Essência. A polividência é a capacidade da nossa consciência (Essência ou Budhata), desligar-se parcialmente de seus sete corpos e penetrar na Realidade Única, na essência profunda e na razão de ser das coisas. Todas as sete cores ao mesmo tempo. O mantra sagrado é TUM...

Despertando os 7 Chacras

Existem 7 Templos sagrados no mundo astral ligados aos elementos cósmicos e nos conectamos magneticamente a eles por meio de nossos sete principais chacras, batizados no esoterismo crístico de Igrejas do Apocalipse ou Velas do Candelabro do Templo. De acordo com o Yoga, os chacras principais são :

Muládhara (Igreja de Éfeso ou Básico): situa-se entre os genitais e o ânus, e sua raiz fica na ponta da espinha dorsal. Liga-nos ao elemento Terra e seus mantras principais são o IAO e o S (como o silvo prolongado de uma serpente). Os grandes magos afirmam que ao se despertar esse centro dominamos externamente os gnomos e pigmeus, além dos fenômenos telúricos, como terremotos, erosão, pragas de formigas, lesmas e outros. Internamente, desenvolvemos a Paciência, a Diligência e a Laboriosidade. Todos os chacras das pernas (dos joelhos, do descarrego nos calcanhares, das solas dos pés etc.) estão subordinados ao Básico.

A Kundalini acha-se encerrada no chacra muládhara e deste chacra emanam quatro Nádis semelhantes a pétalas da flor de lótus. Muládhara é a morada do Tattwa Prittivi (ou, Elemento Etérico da Terra).

Swadhishtana (Igreja de Smirna, Prostático; chamado de uterino, nas mulheres): Localiza-se a quatro dedos acima dos órgãos sexuais, no púbis. Seus mantras principais são M e Bhuvar. Com ele trabalhamos o Tattwa Apas, com os elementais das águas, ondinas e nereidas, dominando as nuvens chuvosas, as ondas dos mares, as enchentes e as leis de equilíbrio da natureza (chamadas de Leis do Trogo Autoegocrático Cósmico Comum. É um nome complexo, mas significa Tragar e Ser Tragado, Receber e Doar, Dar para Receber). Interiormente, desenvolvemos a Castidade, a Fidelidade e a compreensão da Prosperidade. Este chacra é o centro de irradiação e controle de outros, como o da bexiga, testículos (ou ovários) e rins.

Manipura (Igreja de Pérgamo ou Solar): Confere o poder da telepatia. Mas também dominamos o Fogo, e seus seres, as Salamandras e os Vulcanos. Psiquicamente, pode-se dominar os incêndios, as fogueiras, o poder curativo das velas. Seus mantras principais são: U e RAM. Tattwa Tejas. Este chacra domina os chacras secundários e terapêuticos, como do fígado, do baço, do pâncreas, o da boca do estômago etc.

Anahát (Igreja deTiatira, Cárdias): O chacra cardíaco, por nos ligar aos elementais do Ar, Silfos e Sílfides, Fadas e Elfos, nos dá poderes sobre o vento, os furacões, as brisas, a levitação, o teletransporte. Tattwa Vayú. Também nos confere a compreensão da natureza pela teologia, pelos rituais e a mensagem dos símbolos pela Intuição. O Cárdias controla os chacras pulmonares, os das axilas, dos cotovelos e os das palmas das mãos.

Vishudda, Ajna e Sahásrara (Igrejas de Sárdis, Filadélfia e Laodicéia; Laríngeo, Frontal e Coronário): Auxiliam-nos a trabalhar e compreender as energias cósmicas, superiores, do Ser, como o desapego, a sabedoria, a verdade, a inteligência, a justiça, a misericórdia etc., já que a Loja Branca Atômica de nosso corpo físico situa-se no cérebro. Esses três chacras sagrados têm sob sua influência outros, como o do cerebelo, o “chacra oculto”, os sete chacras especiais que circundam o coronário, o do hipotálamo, do timo, do palato etc.

Enfim, nosso organismo psíquico contém uma fantástica constelação de chacras que nos ligam às mais variadas energias cósmicas e telúricas. Alguns afirmam que nosso corpo astral possui cerca de 10 mil chacras e o corpo mental está estruturado com mais de 200 mil chacras. Isso, sem contar os chacras dos outros corpos.

Conhecendo a parte enferma da alma e do corpo, deficiências ou com bloqueios, podemos trabalhar com as salamandras, os gnomos etc. Conhecendo o procedimento ritualístico, os símbolos, os mantras, os nomes das Deidades especialistas em determinadas energias, podemos iniciar um verdadeiro trabalho magístico. O grande segredo é o Conhecimento prático, e não unicamente a teoria estéril. É o que se propõe ensinar neste site.

Prática 1

Procure mais uma vez uma postura de relaxamento e meditação. Imagine que seus chacras tomam a forma de luminosas flores cor de rosa. Dos mantras acima citados (para despertar um dos sentidos paranormais), escolha um deles que você sinta mais afinidade e pratique por cerca de 10 minutos. Visualize que o chacra correspondente ao mantra escolhido se transforma num templo dentro de você. Penetre com a Imaginação Consciente dentro desse templo e sinta a Sabedoria ali contida. Ore à sua Mãe Divina e peça que Ela preencha seu corpo e sua Consciência com Amor, Sabedoria e Força. Lembre-se: cada exercício deve ser praticado por pelo menos uma semana, e todos por toda sua vida. Sinta a energia contida em cada prática. Ao final de cada exercício mântrico, agradeça ao Pai Celestial por mais esta oportunidade de espertar sua Consciência.

Prática 2

Fique de pé, feche os olhos e relaxe seu corpo. Imagine que das solas de seus pés saem gigantescas raízes coloridas e muito fortes. Essas raízes penetram no mais profundo da terra, alcançando as regiões mais inacessíveis do corpo planetário. Invoque a Divina Mãe Terra. Suplique-lhe seus atributos e poderes, tais como saúde, estabilidade, sabedoria, contemplação, compreensão profunda etc. Imagine que tudo o que você pediu está penetrando pelas raízes de seus pés e se espalha por todo o coro e finalmente até sua Alma e sua Consciência.

As Vassouras das Bruxas

http://misticismoemagia.blogs.sapo.pt/arquivo/newori.gifLimpeza Pessoal, com as Quatro Vassouras da Bruxa

Esta limpeza é usada para "limpar "as energias negativas das pessoas; ela harmoniza o fluído entre os quatros corpos, beneficiando-nos assim, em todos os planos existenciais.

A Tradição diz que ha quatro fases de evolução, na vida dos humanos, e que sempre estamos vivendo dentro de uma destas "categorias" , as quais relacionam-se com um dos quatro corpos que possuímos.

Estas categorias são:

- Sacerdotes: são os seres que trabalham ativa e conscientemente, pela evolução da Humanidade e do Planeta como um todo.
- Guerreiros: são os seres que lutam pela evolução.
- Artesãos: são os seres que constroem a evolução.
- Párias: são os seres que estão alheios a Vida Espiritual.

Todas estas categorias existenciais são independentes de situação financeira, ou extrato social ao qual pertencem as pessoas.

Por exemplo podemos encontrar um pária, tanto num empresário como num mendigo, ou um Sacerdote, em qualquer uma destas posições sociais, ou um guerreiro empresário, ou um artesão mendigo.

Relação entre as categorias e os planos existenciais:

- Sacerdotes / Plano Espiritual
- Guerreiros / Plano Mental
- Artesãos / Plano Emocional
- Párias / Plano Físico

Pois é, as Bruxas deram-me a forma de usar a vassoura magicamente, para ajudar e melhorar a Vida de todos.

Relação entre as vassouras e os corpos:

- Vassoura de sete ervas; um ramo para cada erva - Limpa o corpo Espiritual
- Vassoura de Espada de São Jorge (macho); sete espadas - Limpa o corpo Mental
- Vassoura de arruda; sete ramos - Limpa o corpo Emocional
- Vassoura de palha; sete feixes de palha- Limpa o corpo Físico

A vassoura de sete ervas deve ser composta pelas seguintes ervas: arruda, guiné, espada de São Jorge, tanto a qualidade fêmea como a qualidade macho, alecrim, manjerona, e alevante.

Todas as ervas de todas as vassouras, devem estar frescas, inclusive a vassoura de palha; depois da limpeza, as vassouras devem ser penduradas a deixadas secar durante sete dias e sete noites, na intempérie, mesmo que chova, e levadas e deixadas num mato, bosque ou campo.

Pode-se usar o mesmo jogo de vassouras para limpar mais de uma pessoa, desde que a limpeza de todas elas, seja feita na mesma hora.

Para confeccionar as vassouras deve-se atar as ervas num galho de sinamomo, de um metro de comprimento.
Depois de ter todas as vassouras prontas, pedir a pessoa que se deite no chão na frente do altar, de barriga para cima, transversalmente em relação a ele, com o braço esquerdo do lado do altar.

Nesta posição a pessoa está simbolicamente no plano físico, e deverá ir virando-se, de esquerda a direita, para ir passando de um plano ao outro até chegar ao plano espiritual, que é quando começa a limpeza.

1° - De boca para cima, vira de esquerda para a direita ficando de bruços, fechada no plano físico.

2° - De boca para baixo, vira de direita para a esquerda, entrando assim no plano emocional, de boca para cima

3° - Ainda de boca para cima, vira da esquerda para a direita, ficando assim no plano emocional.

4° - De boca para baixo, vira da direita para a esquerda, entrando assim no plano mental, de boca para cima.

5° - Ainda de boca para cima, vira da esquerda para a direita, ficando assim no plano mental, de boca para baixo.

6° - E por último, vira da direita para a esquerda, entrando no plano espiritual, de boca para cima.; vira uma vez mais, da esquerda para a direita, ficando no plano espiritual de boca para baixo.

Todas estas viradas são no sentido contrário ao altar, afastando-se dele.

Estas voltas representam, a passagem do Ser, de um estado a outro de consciência, para que possamos trabalhar em todos eles.

A partir deste momento, fazem-se as voltas no sentindo contrário, passando as vassouras na pessoa na frente e nas costas.

1° -Com a pessoa de boca para baixo, passar nela da cabeça para os pés, somente uma vez, a vassoura de sete ervas, correspondente ao corpo espiritual.

Agora ela se vira de boca para cima, da esquerda para a direita, indo em direção ao altar, e se passa uma vez a vassoura de sete ervas, da cabeça para os pés, somente uma vez.

2° - Agora a pessoa se vira novamente, da direita para a esquerda, sempre indo em direção ao altar, ficando de boca para baixo, e se passa nela a vassoura de Espada de São Jorge, correspondente ao corpo mental, da cabeça aos pés, igual que da vez anterior.


Virando novamente da esquerda para a direita, e ficando de boca para cima, se passa outra vez a vassoura com as espadas de São Jorge, da cabeça até os pés, somente uma vez.

3° - Virar de novo da direita para a esquerda, ficando de boca para baixo, indo em direção ao altar, se passa nela a vassoura de arruda, correspondente ao corpo emocional, da cabeça aos pés, somente uma vez, após o que deve virar novamente da esquerda para a direita, e passar novamente a vassoura de arruda na frente da pessoa, da cabeça aos pés.

4° - Agora el se vira como da vez anterior, de boca para baixo, da direita para a esquerda, e se passa nela a vassoura de palha, correspondente ao plano físico, somente uma vez, após o que vira-se novamente da esquerda para a direita, ficando de boca para baixo, e se passa nela por última vez a vassoura de palha, da cabeça até os pés.

Todas estas "varridas" para limpar, devem ser feitas sobre a pessoa de forma delicada sem machucar a pessoa.

Depois de terminar com uma pessoa pode-se começar com outra, até terminar com todas as que desejem ser limpas.

Por último, deixar secar as vassouras como descrito anteriormente, e entregar no mato.

Bruxas na Cozinha

Biscoitos Dinamarqueses Marrons

1- Xícara de manteiga
1- Xícara de açúcar
4- Xícaras de farinha
1- Colher (chá) de bicarbonato de sódio
½- Colher (chá) de gengibre
1- Colher (sopa) de casca de laranja raspada
½- Xícara de melaço
¼- de colher (chá) de cravos
1- Colher (chá) de canela picada
Amêndoas sem casca para decorar
Bata a manteiga e o açúcar. Acrescente os demais ingredientes. Amasse. Forme dois rolos e resfrie. fatie os biscoitos bem finos e decore com meia amêndoa. Asse a 135\'C por 8 a 10 minutos. Podem ser congelados para armazenar.

Ponche das Fadas


Essa é uma boa bebida não alcoólica para ser servida em encontros pagãos ou para qualquer reunião. Agrada até mesmo às crianças.

1- Punhado de erva cidreira
2- Punhados de borragem
1- Punhado de menta
1- Xícara de suco de abacaxi ou de outra fruta
Sumo de 6 limões
Sumo de 2 laranjas
900ml- de chá forte
2,7l- de gengibirra
Xarope feito de 1 xícara de açúcar, fervido com ½ de água

Despeje 1,3 litros de água fervente sobre a erva cidreira e deixe em infusão por 20 minutos. Coe o líquido sobre a borragem e a menta. Acrescente os sucos de frutas, o chá e o xarope. Resfrie por pelo menos 8 horas. Coe sobre uma vasilha para ponche. Acrescente gelo, um pouco mais de menta e gengibirra.

Chocolate Quente Mexicano

O chocolate se originou no antigo México, em que era um privilégio da realeza, dos abastados e de pessoas de alto nível. Era conhecido como o alimento dos deuses. O nome chocolate provavelmente originou-se das palavras índias xoto (amargo) e atl (água). O Chocolate Quente Mexicano é escuro e carregado em temperos, completamente diferente da versão mais fraca que costumamos beber.
250g- de chocolate meio amargo, picado
1- litro de leite
Um punhado de cravos
1- colher (chá) de canela em pó
Um
pouco de extrato de amêndoa
Açúcar a gosto.
Aqueça levemente o chocolate com o leite, os cravos, a canela, o extrato de amêndoa e o açúcar. Mexa constantemente até que o chocolate derreta.
Bata até formar uma espuma. Sirva imediatamente.
Pó de cacau pode substituir o chocolate em barra, e baunilha, o extrato de amêndoa. Serve quatro porções.

Maçã e Rosa dos Gnomos

3,5l- de maçãs para torta picadas
½l- de framboesas vermelhas
3 ½- Xícaras de açúcar
½l- de pétalas de rosas perfumadas em pó
1- Colher (chá) de canela
2- Colheres (sopa) de sumo de limão
¼- de xícara de nozes inglesas moídas
1- Pacote de pectina de frutas
Siga as instruções de preparo de geléia no pacote de pectina de frutas. Pode substituir as pétalas de rosas em pó por pétalas frescas. Use apenas flores livres de pesticidas, a do seu jardim é ótima. Rende cerca de nove xícaras.

Hot Sweet Coffee


½ Tablete de chocolate meio amargo picado
4 Colheres (sopa) de creme de leite sem soro
5 Colheres (sopa) de açúcar
4 Xícaras (chá) de café extra forte filtrado na hora
Chantilly e canela em pó a gosto

Coloque todos os ingredientes num recipiente e leve ao fogo brando, mexendo bem, mas sem deixar ferver. Distribua em xícaras grandes, coloque o chantilly e polvilhe a canela em pó. Sirva em seguida.

Bolas de Bourbon

Esta receita rende cerca de 30 doces de 2,5 cm, mas alertamos que eles não duram muito.

1- Pacote de 350g de chocolate meio amargo em pedaços
½- Xícara de açúcar
l ½- de xícara de waffers de baunilha moídos (cerca de 36)
3- Colheres (sopa) de xarope de milho light
¼- de xícara de bourbon
1- Xícara de nozes pecã bem picadas

Derreta o chocolate em banho-maria, mexendo constantemente. Tire a panela do fogo. Misture o xarope de milho e o bourbon; despeje o açúcar, os waffers de baunilha e as nozes pecã e misture bem. Deixe esfriar. Enrole com as mãos bolas com cerca de uma colher de chá. Role cada bola no restante do açúcar e coloque sobre papel-manteiga. Cubra e resfrie por algumas horas. Para guardar, ponha numa vasilha de boca larga com tampa hermética.

Amanteigado Celta


1½- Xícara de farinha peneirada
1½- Xícara de açúcar peneirado
1- Xícara de manteiga (sem sal)

Coloque o açúcar e a farinha em uma tigela média; misture a manteiga até que a massa fique quebradiça. trabalhe a massa formando uma bola com suas mãos e bata por cerca de dez minutos. Forme um retângulo de 0,5cm de espessura por 35x30cm numa fôrma grande sem untar. Corte em quadrados ou losangulos de 5,5cm com uma faca afiada.
Decore com confeitos coloridos se desejar. Asse por 45 minutos ou até ficar firme e levemente dourado.
Corte novamente o shortbread nas marcas e separe cuidadosamente. Manuseie com extremo cuidado! Remova da fôrma. Guarde num pote hermético com folhas de papel-manteiga entre as camadas. Se armazenado por algumas semanas, esse shortbread assume um delicioso e delicado sabor.

Batatas da Felicidade


Ingredientes:

6 batatas grandes - Lua
¼ de xícara de manteiga - Sol
200 gramas de iogurte - Vênus
1 colher de chá de alecrim - Sol
2 colheres de chá de salsa - Mercúrio
1/8 de colher de chá de sálvia - Sol
1 pitada de sal - Lua
1 pitada de pimenta do reino - Marte
1 colher de sopa de manteiga derretida - Sol
1 xícara de salsa picada para enfeitar - Mercúrio

Modo de fazer o feitiço:
Este feitiço é dedicado a quebrar a tristeza. Ele deve ser feito numa hora de Sol.
Queime incenso de folhas de alecrim secas por toda a casa. Pendure atrás de cada porta um ramo de manjericão.
Jogue no chão da cozinha gotas de água de verbena e espalhe folhas de verbena nos quatro cantos da casa. Após fazer tudo isso relaxe profundamente. Mentalize uma esmeralda em estado bruto. Procure sentir a fria temperatura da pedra. Toque levemente o centro da pedra. Você irá perceber que existe aí um centro de calor que entra suavemente pelas pontas de seus dedos. Essa energia penetra lentamente em seu corpo. Deixe-se tomar por esse calor, respirando suavemente. Logo você verá surgir neste centro um velho portão de ferro ladeado por dois grandes pinheiros. Entre através dele. Haverá um estreito caminho de esmeralda. Note como elas brilham e uma imensa felicidade lhe vem ao coração. Continue andando. O caminho é agora um pouco mais largo e delicados ciprestes crescem nas suas bordas. Borboletas de todas as cores traçam um silencioso bailado sobre a sua cabeça. Você poderá sentir o suave perfume do mel pairando no ar. Aguce seus sentidos e siga este perfume. O caminho estará cada vez mais largo e o perfume mais intenso. As esmeraldas do chão estarão brilhando mais profundamente e você poderá notar pequeninos raios no ar. Neste momento você terá chegado a um enorme carvalho todo rodeado de violetas. Note que há um buraco em seu tronco e dele saem algumas abelhas. Peça ao grande carvalho permissão para penetrar suas mãos no buraco. Coloque-as suavemente. Não tema as abelhas, elas nada lhe farão. Sinta o mel por entre seus dedos. Leve-o à boca e experimente sua divina doçura. Guarde um pouco de mel num pequeno pote de cristal. Agradeça o presente recebido. Comece o feitiço.
Cozinhe as batatas até que estejam macias e firmes. Descasque-as e faça um buraco em cada batata. Pegue o que tirou da batata e amasse bem. Adicione a essa massa ¼ de xícara de manteiga e mexa bem, até que fique cremosa. Adicione o iogurte, o alecrim, a salsa, a sálvia, o sal e a pimenta, e continue batendo até obter uma mistura cremosa e fofa. Recheie as batatas com essa mistura e pincele-as com a manteiga derretida. Arrume-as numa assadeira de cerâmica untada e asse-as em forno quente por 15 minutos. Salpique depois com salsa picada.
Sirva junto uma salada de alface, agrião e brócolis cozido. Use vinagre de manjericão e azeite de oliva. Prepare a mesa com uma toalha amarela. Coloque ramos de margaridas atados com fita de seda vermelha. Espalhe pequenas rosas amarelas e pétalas de rosas vermelhas. Borrife algumas gotas de lavanda sobre a toalha e coloque um pequeno vidro de cristal com mel no centro da mesa. Rodeie o feitiço com delicados galhinhos de cipreste.
Queime folhas de lavanda seca e acenda algumas velas amarelas.
Dedique este feitiço ao espírito do carvalho.

Arroz de Afrodite

Ingredientes:

1 ½ xícara de arroz - Lua
1 ramo de brócolis cortado em pequenos galhos - Sol
¼ de xícara de leite de oliva - Sol
1 xícara de cebolinha picada - Marte
1 pimentão vermelho cortado em pedacinhos - Marte
1 ½ colher de chá de sal - Lua ½ colher de chá de pimenta-do-reino - Marte
1 colher de sopa de curry - Sol
3 colheres de sopa de vinagre de vinho branco - Vênus
1 ½ colher de chá de açúcar - Lua

Modo de fazer o feitiço:

Este feitiço é destinado ao suave encantamento do amor. Realize-o quando estiver apaixonada, pois ele lhe trará mais sensualidade, e assim você poderá conquistar seu amado.
Existem muitos feitiços de sedução, mas lembre-se: nunca darão resultado se você não se amar!
Faça este feitiço num dia de lua cheia e numa hora de Lua. Vista uma roupa preta e tenha os pés descalços.
Borrife água de rosas nos cabelos e salpique algumas gotas de óleo de sândalo nos braços, pernas, seios e ventre. Passe por sobre o batom uma gota de mel de abelha.
Pendure atrás de cada porta um ramo de jasmim e salpique pétalas de rosas pelo chão.
Queime incenso de jasmim e acenda velas verdes e vermelhas.
Na cozinha queime incenso de jasmim e espalhe pelo chão um punhado de areia de praia. Sente-se no chão em posição de lótus e respire suavemente. Enquanto respira, procure soltar o corpo o máximo possível. Aos poucos você sentirá uma onda morna de energia penetrar seu corpo. Perceba-se profundamente. Tente reter o máximo que puder esta energia. Você verá que seus músculos se enrijecem à medida que o calor morto penetra.
Seu corpo parece agora uma grande planta. Toque-o e sinta seus membros tal qual rijos galhos. Explore seus contornos e sinta os nós de sua pele. Desfaça-os.
Um cheiro muito forte de terra sai do seu corpo. Inale-o.
Ao término deste pequeno ritual, visualize na areia do chão uma pequena concha fechada. Abra-a cuidadosamente.
Dentro dela sairá uma pérola. Guarde-a dentro de um pequeno saco de veludo preto.
Agradeça o presente recebido. Levante-se e comece o feitiço.

Coloque três xícaras de água para ferver. Quando a água já tiver fervido jogue o arroz, e deixe-o ferver por uns vinte minutos, ou até o arroz estar tenro. Escorra-o. Numa frigideira, coloque o azeite para esquentar e, quando estiver bem quente, acrescente o pimentão, cebolinha, sal e a pimenta-do-reino. Refogue por uns dois minutos e, ao final, coloque o curry no refogado, deixando cozinhar por um minuto. Tire-o do fogo e acrescente o vinagre e o açúcar.
Despeje esta mistura no arroz e brócolis. Misture bem.
Você poderá servir esta salada morna ou gelada. Ficará a seu critério. Coloque na mesa uma toalha vermelha, salpicada de óleo de jasmim. Espalhe conchas e rosas. Acenda velas verdes e vermelhas.
O feitiço deverá ficar no centro da mesa, rodeado por um cordão de pérolas (poderão ser falsas, mas se forem verdadeiras, melhor).
Queime incenso de jasmim por toda a casa.
Consagre este feitiço a Afrodite.

SAMHAIN


Bolo de Samhain

300 g de frutas cristalizadas;
50 g de cerejas;
50 g de açúcar mascavo;
200 g de farinha de trigo;
1 colher (chá) de fermento para bolos;
250 ml de chá quente (de maçã);
1 ovo grande;
1 colher (sopa) grande de marmelada;
Várias surpresas de Samhain (pingentes, metais, etc.)*
*Nada de plástico!

Misture as frutas e cerejas ao açúcar mascavo e cubra com o chá quente. Permita macerar pelo menos de meia a uma hora. Acrescente a farinha peneirada e o fermento, misturando bem.
Coloque o ovo (inteiro) e a marmelada e misture mais uma vez.
Por último, acrescente as surpresas de Samhain (surpresa) que deverão ser embrulhadas firmemente em papel laminado. Misture bem.
Unte a forma de bolos e despeje a massa.
Decore o topo com mais cerejas.
Leve ao forno quente por 45 minutos.

YULE


Kleinur de Yule (biscoitos de raio de sol)

900 g de farinha de trigo;
240 g de açúcar branco;
60 g de margarina;
1 colher (chá) de essência de baunilha;
1/2 colher (chá) de soda (para alimentos);
5 colheres (chá) de fermento p/ bolos;
1/2 litro de leite;
1 ovo;

Bata a margarina e a farinha misturando aos outros ingredientes. Faça um monte na massa, cave um buraco no meio e misture o leite de forma que a massa fique homogênea. Misture bem até que fique uma massa lisa, sem caroços. Deixe a massa descansar por duas horas e estique-a com o rolo de macarrão. Corte em diamantes e faça um canal no meio dos biscoitos, bem de leve, só para decorar. Se quiser pincelar com gema de ovo, só para dar um tom dourado, ficará bem bonito. Unte a assadeira e leve ao forno até assar por completo.

IMBOLC


Pudim de Imbolc

Qualquer alimento que simbolize ou tenha ligação com o Sol ou fertilidade é apropriado para este Sabbath, assim como comidas que levem leite. Minha comida favorita de Imbolc é o pudim de arroz, por incorporar símbolos de fertilidade, do Sol, e muito leite. Aqui vai a receita que uso:
1 xícara de arroz, lavado, escorrido e cozido;
4 xícaras de leite — simbolizando o leite da Deusa;
1 xícara de açúcar branco — para a doçura da vida;
2 ovos batidos — simbolizando o sol e fertilidade;
1 xícara de mingau de maisena, consistente;
Baunilha a gosto, porque toda receita deveria ter baunilha;
Canela em pó a gosto.

Junte (sobre o fogo de Brigit – seu fogão mesmo serve) o arroz, o mingau, o leite, o açúcar, os ovos e a baunilha até que se tornem uma massa, apenas, cuidado para não encaroçar ou endurecer demais (por causa da maisena). Depois disso, tire do fogo e disponha em tigelas, polvilhando com a canela em pó na parte de cima. Leve ao refrigerador quando já estiver frio.
Sirva gelado!
(Se você é um praticante solitário, enquanto você mexe e carrega o pudim, deverá enfocar seus pensamentos e desejos nas coisas que você quer que cresçam em sua vida. Se você faz parte de um Coven ou uma Tradição Familiar, você deve cozinhar como manda sua tradição).

OSTARA


Ovos recheados de Ostara

Comer ovos no Equinócio Primaveral é o equivalente a estar ingerindo a energia PURA de OSTARA!
8 ovos cozidos;
2 xícaras de maionese;
1 colher (sobremesa) rasa de açúcar branco;
1/2 xícara de vinagre de maçã;
Tomilho fresco ou manjericão (à vontade);
Agrião (à vontade).

Coloque os ovos para serem cozidos em água fervente por mais ou menos 25 minutos. Descasque os ovos e corte longitudinalmente. Escave as gemas dos ovos e triture-as ou misture-as em um liquidificador com a maionese, o açúcar e o vinagre. Bata até ficar bem cremoso. Encha as claras cozidas (de onde escavou as gemas) com a massa, usando uma bolsa de confeiteiro ou cuidadosamente colocando com uma colher de chá. Enfeite os ovos com o tomilho ou manjericão e decore o prato com as folhas de agrião.

BELTANE


Biscoitos de Aveia de Beltane

1 e 1/2 xícaras de farinha de aveia;
1/2 xícara de açúcar mascavo;
¾ de uma xícara de manteiga;
1 ovo inteiro;
1 xícara de bananas cortadas em rodelas bem finas;
1/2 colher (chá) de fermento em pó;
Canela em pó (a gosto).

Pré-aqueça seu forno. Misture a farinha, o fermento e o açúcar marrom até ficar bem misturado. Deixe descansar por 30 minutos. Junte então a manteiga, o ovo e as frutas. Unte a assadeira e vá depositando porções no tamanho de biscoitos. Asse durante 15 minutos.

LITHA


Hidromel sem álcool

2 litros de água mineral (sem cloro ou química);
2 xícaras de mel;
1 colher (chá) de noz-moscada (moída por você);
2 limões cortados em fatias.
Ferva todos os ingredientes num recipiente de barro (panela rústica). Preste atenção para ir retirando a “nata” com uma colher de pau enquanto ferve. Quando não houver mais “nata”, acrescente o seguinte:
2 pitadas de sal;
Suco de 1 limão.

Coe e deixe esfriar. Depois é só beber, preferencialmente em temperatura natural.

Salada de Desejos

Ingredientes:
1/2 cabeça de repolho roxo;
1 alface média;
3 tomates;
15 azeitonas pretas do tipo calabresa;
1/2 cebola roxa;
1 berinjela;
Azeite de oliva;
1 dente de alho.

Corte sua berinjela diagonalmente em várias fatias.
Coloque o azeite na panela em fogo médio.
Quando o azeite estiver bem quente, junte o alho esmagado e as fatias de berinjela. Doure um pouco a berinjela. Seque o azeite da berinjela com papel absorvente.
Tenha certeza de que lavou sua alface.
Pique o repolho roxo na tábua de cortar, sempre em pedaços finos. Faça o mesmo com a alface. Corte os tomates em fatias verticais. Corte as azeitonas e a cebola do modo que mais lhe agrada.
Decore o fundo do prato com a berinjela. Coloque então a alface e o repolho no prato, agora decorando com as rodelas de cebola e azeitonas. Distribua as rodelas de tomates em volta do prato.

LUGNASAD


Bolo de Milho Gelado de Lugnasad

3 xícaras (chá) de milho verde (aproximadamente quatro espigas médias);
1 xícara (chá) de leite de vaca;
2 xícaras (chá) de açúcar;
5 ovos inteiros;
2 colheres (sopa) de (amido de milho);
4 colheres (sopa) de queijo ralado;
4 colheres (sopa) de margarina;
1 colher (sopa) de fermento em pó;
1 vidro pequeno de leite de coco;
5 colheres (sopa) de coco fresco ralado.

Escorra o milho e bata-o no liquidificador com o leite. Junte o açúcar à margarina e bata bem. Acrescente um ovo de cada vez e bata a cada adição. Misture leite de coco, queijo ralado e (amido de milho) e bata até ficar uma massa homogênea. Retire do liquidificador e misture o coco ralado e o fermento em pó peneirado. Despeje a massa em uma forma média, untada com manteiga e enfarinhada e asse em forno médio pré-aquecido. Deixe esfriar e leve à geladeira. Sirva gelado.

MABON


Quiche da Colheita (maçã e canela)

Rende seis porções
2 maçãs, descascadas e fatiadas;
2 tabletes de manteiga;
Queijo cheddar ralado a gosto;
Massa para tortas (pode ser das industrializadas se não souber fazer);
1 colher (sobremesa) de açúcar branco;
1 colher (chá) de canela;
4 ovos grandes inteiros;
1 1/2 xícaras de creme de leite.

Deixe a maçã fritar na manteiga durante cinco minutos.
Salpique açúcar e canela em cima das maçãs.
Recheie a massa de torta com as maçãs.
Salpique o queijo sobre a torta (já fechada).
Bata os ovos junto com o creme de leite.
Espalhe em cima da torta.
Asse até que doure, por mais ou menos 35 minutos.

RECEITAS RETIRADAS DO LIVRO WICCA A BRUXARIA SAINDO DAS SOMBRAS
EDITORA MADRAS (2004) AUTOR: MILLENNIUM.’.


RECEITAS CELTAS


Rosquinhas de Hollantide (Hollantide Fairings)

Para a massa:
75 g de manteiga
2 colheres de sopa de melaço
50 g açúcar mascavo
50 g farinha de trigo
½ colher de chá de bicarbonato de sódio
½ colher de chá de pimentas em pó
1 colher de chá de gengibre ralado

Para o glacê:
2 colheres de sopa de açúcar (em ½ copo d'água)
2 limões (casca ralada)
1 xícara de café de uvas-passas

Coloque a manteiga, o melaço e o açúcar numa panela, mexa tudo em fogo baixo até misturar então retire do fogo. Junte a farinha, as pimentas e o gengibre numa tigela e depois junte na panela. Dissolva o bicarbonato de sódio em água (somente o suficiente para dissolver completamente) e misture na panela. Quando a mistura engrossar (ponto de massa), transfira para a tigela e deixe descansar pouco mais de uma hora.

Pegue a massa aos poucos e role com a palma da mão contra a pia (devidamente polvilhada de farinha) fazendo um cordão fino. Corte os cordões e faça rosquinhas.

Glaceie as rosquinhas com um xarope de água com açúcar, casca de limão ralada e uva passa picada. Ponha no forno rapidamente para secar o glacê.

PS.: Como opção, como eu já tentei, você pode pegar os ingredientes para fazer o glacê, misturara na massa e fazer cookies ao invés de rosquinhas.

Vinho de Amora


1,5 kg de amoras
açúcar
brandi

Coloque as amoras no pote e acrescente 3 colheres de sobremesa (6 g). Feche o jarro e mexa uma vez por dia por 3 semanas. Coe todo o conteúdo e, para cada pint (600 ml) de "suco" acrescente 1 libra (450 g) de açúcar. Mexa bem e coloque novamente no pote (que deve ser devidamente esterilizado). Para cada pote acrescente uma colher de sobremesa (2 g) de brandi. Feche e deixe descansar por algumas semanas no escuro antes de tomar.

Umas dicas:

Vocês devem estar se perguntando onde achar as amoras, pois não é um vinho com amoras, mas um vinho de amoras, que são bastante raras aqui no Brasil. Eu uso aquelas amoras congeladas que existem nos supermercados para fazer suco (as amoras como fruta, não polpa).

O brandi pode ser trocado por qualquer bebida destilada, como Rum ou Pinga, pois o que a bebida faz é causar a fermentação.

A quantidade de açúcar pode ser um pouco menor ou maior do que o da receita, o que fará o vinho ficar mais ou menos doce. Eu já usei açúcar mascavo (menos doce do que o açúcar refinado) e ficou excelente.
O prazo de "descanso" que eu uso é de 2 a 3 semanas, deixando o total de 5 a 6 semanas para fazer o vinho, um verdadeiro ritual diário.
Finalmente, mas não menos importante, durante a primeira parte do processo, o suco virará vinagre (o cheiro será peculiar), não se preocupem, é normal. Da mesma maneira o vinho não ficará transparente como um vinho comprado, pois algo da borra continuará nele.

Truta com Bacon (Brithyll â Chig Moch)

Uma ou mais trutas limpas e desossadas (em filés)
Bacon fatiado (o bastante para envolver as trutas)
Sal e Pimenta
Salsa

Cubra o fundo de uma travessa (que vá ao forno) com bacon fatiado. Coloque os filés de truta sobre o bacon. Tempere com sal e pimenta então coloque mais uma camada de bacon fatiado. Espalhe a salsa por cima de tudo e ponha para assar num forno já quente (temperatura de 250o C) por de 25 a 30 minutos.

Torta de Maçã com Massa de Batata (para duas pessoas)


225 g de batatas (em purê)
½ colher de chá de sal
25 g de manteiga
50 g farinha
Açúcar Mascavo a gosto
300 g de maçãs (cortadas em fatias bem finas)

Numa tigela grande misture o purê de batatas, o sal e a manteiga. Acrescente a farinha e vá misturando até obter um ponto de massa. Divida então a massa em duas e abra-as em círculos de aproximadamente 20 cm de diâmetro. Coloque metade das maças picadas com açúcar mascavo a gosto e um pouco de manteiga. Molhe as beiradas e feche as massas pela metade (como pastéis). Cozinhe as tortas numa frigideira por de 20 a 30 minutos de cada lado, mudando o lado da torta de tempos em tempos, para não queimar (se a frigideira for de teflon nem precisa untar).

Os Mistérios do Sangue e da Lua

Os Mistérios Obscuros tratam da natureza oculta das coisas e da essência secreta tanto das coisas físicas como das espirituais. O mito dos Mistérios Obscuros se reflete em mitos como os de Deméter e Perséfone, mas também em Cailleach e Brigid. Cailleach seria associada a Perséfone, que representa a semente que desce às trevas, para que sua energia e juventude seja despertada. Como terra, Cailleach representa a força misteriosa que faz a semente hibernar durante o inverno, para depois despertá-la e conduzi-la à renovação na Primavera.


Nos Mistérios Ocultos, a Deusa Cailleach aparece como Aquela que traz a Vida e a Morte, é a Criadora e Destruidora. É ela que cria as tempestades, a chuva e o orvalho, os quais podem tanto ser benéficos quanto destrutivos, especialmente para as comunidades agrícolas. E, do mesmo modo que a Deusa envia a água, ela envia para nós mulheres o fluxo do sangue menstrual. Encontramos sempre nos líquidos a presença mística da Deusa. Pois saiba, que a ligação essencial dos Mistérios da Deusa com as mulheres sempre ocorrerá através dos fluidos, seja simbólica ou fisicamente. O inconsciente está associado ao elemento água, assim como as emoções em geral, e estas por sua vez estão associadas à natureza feminina.


Onde os Mistérios Femininos não refletem a psique de algum modo, eles podem ser encontrados em associações com os fluidos corporais das mulheres. Um dos aspectos da Antiga Religião era o de objetos serem abençoados através do contato ou inserção na vagina de uma mulher nua deitada sobre o altar. Esta antiga prática foi distorcida pelos princípios judaico-cristãos e transformadas em obscenidades pervertidas.
O corpo da mulher na sociedade matrifocal era considerado um altar vivo, pois possuía o poder de dar a luz e alimentar uma nova vida.

O sangue menstrual, chamado de sangue da Lua, era utilizado como marcas rituais em cerimônias de iniciação e ritos. O sangue até hoje é usado em rituais de índios americanos, que costumam unir seu sangue ao de outro para criar vínculo entre os dois. Assim sendo, a Suma Sacerdotisa do clã podia unir as almas de todos os membros através do sangue menstrual. Ungir os mortos com sangue menstrual era assegurar seu retorno à vida. É graças a estas remotas associações que hoje o vinho é visto como o Sangue de Deus.


O maior dos Mistérios Obscuros está concentrado no Sangue Menstrual, use-o em seus rituais.

Rosane Volpatto

Fonte: http://witchclubhouse.blogspot.com/2010/04/os-misterios-do-sangue-e-da-lua.html
Verá com melhor nitidez esse site, com os navegadores Mozilla Firefox ou Google Chrome.

Obrigada, pela visita. Beijos de luz violeta na alma.

Tempo real da Terra e da Lua