26/09/2011

Mitologia - A criação de Loivty



Ao final da Grande Guerra, grupos élficos se espalharam por todo o território morgdanês, migrando principalmente para uma floresta ao centro de Morgdan - comandados, dizem as lendas, pelo próprio Mallin, Deus da Magia – e fundando ali a primeira cidade pós-guerra, onde poderiam enfim voltar a ter paz.
Muitos anos se passaram desde a migração élfica, muitas outras raças também migraram para os mais inusitados cantos de Morgdan, e foi Gunthar Loivty o primeiro humano a chegar às terras onde hoje se encontra o reino de Loivty.
Integrante da guarda de Trenet - primeiro reino construído até então, muito diferente das vilas que se espalhavam pelo resto do continente – Gunthar tinha enorme espírito de liderança, espírito este que causava grande desconforto em certos comandantes de Trenet e que acabou por enviá-lo à uma missão suicida. Mesmo sabendo de seu fim, como bom comandante que era, ele aceitou a missão. Chegando ao destino, no pior momento da luta, seus soldados o abandonaram. Gunthar acabou sendo atingido e caiu inconsciente. Por sorte, seus inimigos acharam que havia morrido. Apenas dois dias depois é que ele teve forças para se levantar. Fraco e com fome, andou muito até cair inconsciente novamente. Um grupo de elfos o encontrou quase morto no chão e, num ímpeto de bondade, o levou para a cidade élfica de Korkis.
Gunthar ganhou a confiança dos elfos e com eles aprendeu diversas coisas. Quando teve suas forças totalmente recuperadas, ele pediu permissão ao líder da cidade para construir sua morada perto da floresta, prometendo não interferir nos assuntos élficos. Os elfos consentiram.
Ao sair da floresta, Gunthar se deparou com um local muito rico em fauna e flora, algo que lhe lembrou sua terra natal. Analisando as coisas ao seu redor, ele percebeu que ali poderia formar um próspero reino.
Primeiramente, bárbaros errantes se uniram a Gunthar, criando uma simples vila à qual foi dado o nome de Greenreef - homenageando suas colinas verdejantes. A pequena vila cresceu e se fortaleceu, tornando-se uma importante cidade. Em pouco tempo, Greenreef não comportou mais sua população e muitos, agradecidos à Gunthar, migraram para diferentes partes do reino que se formava, oferecendo seus préstimos ao rei sempre que este precisasse.
Outros reinos foram se formando enquanto Loivty continuava crescendo sob a enorme bondade e liderança de Gunthar. Logo, os bárbaros que se juntaram a ele tornaram-se guerreiros, treinados pelo próprio Gunthar. E foi num destes treinamentos que ele notou Amanthea, a bela filha de seu mais valoroso guerreiro, Alnor.
Amanthea ajudava como podia a vila que crescia a cada dia. Ela tinha certa liderança sobre todas as mulheres do local, o que a tornava muito conhecida e um espelho para grande parte das crianças que estavam se desenvolvendo na pequena Greenreef. Numa manhã, enquanto caçava para ajudar na alimentação das pessoas da vila, Amanthea conseguiu observar o treinamento dado por Gunthar aos seus guerreiros. Ela se aproximou do cercado onde vários membros recebiam o treinamento e durante um bom tempo analisou como o rei os ensinava, como agia. Em segredo, começou a treinar na floresta.
A constante presença de Amanthea chamou a atenção de Gunthar, que fingia não ver a bela jovem observando seu treinamento. Um dia Alnor revelou ao grupo que aquela junto ao cercado era sua filha. Foi quando Gunthar disse que o respeitava muito por ser um grande guerreiro e pediu sua permissão para conversar com a moça. Se ela o quisesse, ele gostaria de tomá-la como esposa. Alnor disse que teria muito orgulho de ter Gunthar como marido de sua filha, caso a moça o aceitasse. Daquele dia em diante eles passaram a se encontrar com freqüência, a paixão entre os dois foi fruto de muito carinho e dedicação prestados pelo guerreiro à bela Amanthea. Desta união nasceuThera, que se tornou uma poderosa maga devido ao contato que teve com os elfos.
Loivty possuía um acordo com os anões das Montanhas de Aço de Stonegate no qual todo aço extraído das montanhas passaria por Loivty em troca de subsídios, o que tornava o reino próspero e com um arsenal invejável. De seu imponente castelo, Gunthar começou a ouvir histórias que o reino ganhava status, que pelo menos cinco outras cidades já haviam sido construídas e milhares de outras vilas tremulavam o brasão de Loivty.
Ele e Amanthea tiveram ainda mais dois filhos, Sebastian e Ghuris. Certo dia, Gunthar reuniu sua família e disse a ela que não gostaria de morrer numa cama. Ele passou o comando para Sebastian, seu filho mais velho, e, mesmo sob as súplicas de seus entes, montou em seu cavalo e sumiu. Ouviram-se muitas histórias sobre o destino de Gunthar, todas de feitos heróicos. Desde essa época, poucas coisas importantes aconteceram. A mais importante delas foi o crescimento do exército de Loivty que no futuro provaria ser o mais mortífero de toda Morgdan.

A Tríade de Aço

Em 605, uma aliança unindo grandes reinos do oeste de Morgdan começou a ganhar, à força, terreno e poder. Loivty, naquela época, já era o mais forte dos reinos e seu regente era Figho I, um guerreiro sábio e justo. Temendo que a força da Aliança do Oriente pudesse crescer demais, Figho proibiu a venda do aço de Stonegate para qualquer reino pertencente à Aliança, fato este que irritou Thomas III de Longness - reino líder da Aliança - e o fez declarar guerra à Loivty.
Para o azar de Thomas, os reinos conquistados pela Aliança ainda não possuíam a força e imponência de Loivty. Figho conquistou todos os reinos pertencentes à Aliança e deixou alguém de confiança no trono de cada reino conquistado. Por último, conquistou o reino do grande Thomas III. Após a morte e exposição em praça pública da cabeça do terrível regente de Longness, Figho deixou no trono a pessoa em quem mais confiava, seu irmãoÉden.
No ano 619, o reino de Fholther entrou em uma terrível crise. Não vendo outra saída, seu rei aceitou tornar-se um ducado de Longness. Os reis do ocidente ignoraram o fato, já que, à época, o rei de Longness era o irmão caçula de Figho I, Éden.
Contudo, de onde menos se esperava, sobreveio o golpe. Já corrompido pelos nobres de Longness, durante uma visita a seu irmão mais velho, no ano 635 após a Grande Guerra, Éden assassinou Figho I e assumiu o trono de Loivty, finalmente conseguindo a anexação ao território de Longness, tanto desejada pelos nobres longneses.
Foi nesse momento que os outros reinos do oeste formaram a Tríade de Aço, unindo Stonegate, Avalon e Stormgard para acabar de uma vez por todas com as sandices do povo e do rei longnês.
Após Éden ter fugido, grande parte de Loivty foi dividida entre os reinos vencedores, o que diminuiu drasticamente o território loivtyano e fez com que Greenreef, maior cidade e capital do reino de Loivty, se tornasse propriedade de Stormgard. Por algum tempo os nobres de Loivty controlaram o reino, mas sem o conhecimento necessário para governar, rebeliões começaram a ocorrer, sendo a mais importante comandada por Delim, um poderoso mago da região.

Presente

Delim começou a rebelião na cidade de Hamolan, extremo norte de Loivty. Ali ele criou uma grande escola de magia, usada como sede da revolução. O mago defendia que Loivty precisava de um comandante que tivesse mais conhecimento e inteligência do que músculos. Sua popularidade aumentou incrivelmente rápido, Hamolan tornou-se a capital da magia e, com o passar do tempo, outras cidades e vilas foram sendo conquistadas pela influência de Delim - principalmente as cidades e vilas da Ilha de Aehrin, sua terra natal.
Mais e mais pessoas emigraram para o reino - em sua grande maioria magos,feiticeirosclérigos e bardos – sob a promessa de que este novo regente comandaria Loivty de uma forma totalmente diferente dos demais reinos. Os nobres, que se encontravam sob constante pressão de todos os lados, não agüentaram e tiveram que dar a Delim o título de regente - além do lugar no trono do castelo de Coruscant, nova capital de Loivty.
Delim, num de seus primeiros atos, deixou o castelo para os nobres de Loivty e ergueu ao centro de Hamolan uma majestosa torre, de onde governaria o Reino. Antigos amigos do mago chegaram ao reino e dentre eles foram escolhidos o mais sábio pertencente a cada escola de magia, num total de oito. Ao redor da torre do Torre do Mago foram erguidas outras oito torres, cada uma simbolizando o círculo de magia que seu conselheiro melhor conhece. Com o tempo, a magia fez seu trabalho, tornando Loivty um reino de fauna e flora ainda mais diversificadas, assim como seu povo, das mais variadas raças.
Tudo em Loivty é magnífico e a presença da magia pode ser sentida até por não praticantes ou estudiosos. Atualmente Delim debate com seus conselheiros magos um jeito de Loivty retornar ao posto que ocupava antes, o mais poderoso reino de Morgdan.

Geografia

Mapa político de Loivty
Loivty é o reino com maior diversidade de terrenos e fronteiras de Morgdan e encontra-se na região central. Ao norte, faz fronteira com as Montanhas de Aço e o reino de Stonegate, onde também há algumas pequenas montanhas, nas quais existem lendas de cavernas e tesouros escondidos e florestas menores onde é grande a fauna e a flora. Ao leste, existe a Floresta da Alvorada, o reino de Avalon, o reino de Longness e o Rio das Almas. Nesse lado, existe muitos locais secos e pradarias. À oeste, existe o Lago de Vidro, o reino de Stormgard, pântanos e campos onde existem a maior parte dos templos de Nosrredram e Hellenah. Finalmente ao sul, há Coruscant a capital costeira de Loivty e várias vilas e cidades sendo a região mais populosa de Loivty. Praticamente o clima é tropical por toda sua extensão devido a sua localização privilegiada e constante intervenção de magias em todo o reino.

Demografia

Loivty tem em sua maioria humanos, mas todas as raças podem ser encontradas pelas ruas e estradas do reino, além da grande quantidade de elfos na Floresta da Alvorada e de anões em Hamolan.
Os humanos vivem em completa harmonia com outras raças, como é de seu costume e que desagrada os Elfos, que se mantêm reclusos na Floresta da Alvorada sendo vistos fora dela somente quando necessitam de algum elemento para suas magias. Os anões são encontrados com freqüência pelo reino, seja negociando suas armas e armaduras ou buscando o aprendizado da magia, o que não é bem visto em Stonegate. Gnomos preferem criar seus inventos pelas florestas buscando aproveitar tudo que pode ser tirado dela.Halflings se misturam. Eventualmente vemos meio-orcs e outras raças de qualquer tipo perambulando pelo reino.

Política e Economia

Loivty tem como forma de governo a monarquia, mas devidos aos grandes conflitos históricos que ocorreram em seu solo, culminaram em não haver pessoas da família real para comandar o reino. Por isso, Loivty, que teve grandes revoluções, hoje em dia possui um regente, Delim, que está fazendo o trabalho do rei de forma muito satisfatória, e o conselho de nobres, que perdeu o seu lugar e grande parte do poder e ainda planejam uma forma de desbancar Delim.
Delim comanda Loivty com a ajuda de sua elite mágica. São oito poderosos magos de diferentes escolas de magia. O povo está muito agradecido a Delim, pois as taxas cobradas pelo atual regente são muito menores do que eram cobradas pelos nobres ganaciosos que regiam o reino. Loivty tem como principal fonte de subsídios o comércio de itens mágicos, poções, pergaminhos e jóias. Hamolan é a principal cidade de fonte de rendas de toda a Loivty. Muitos reinos e inclusive Loivty utilizam o medo da população e o potencial de retorno do contrabando pelo Rio das Almas.

Religião

A religião é bastante divulgada em Loivty, pois muitas das cidades e vilas são comandados por clérigos. Mas estes não gostam de andar pelos locais tipicamente de magos, pois os mesmos não são muito religiosos. A exceção se faz em Hamolan, em que todo o tipo de classes e raças podem ser encontrados vivendo em completa harmonia. Leonar ainda é a divindade mais cultuada, pois Gunthar o tinha como protetor. Jhanna possui uma grande quantidade de seguidores nos elfos da Floresta da Alvorada. Em praticamente todas as cidades pode-se encontrar templos a ThinosEtrosKolthar e Julian devido ao movimento e às tavernas locais. Nos locais mais sombrios é grande a influência de Nosrredram e Hellenah. Somente Mog e Tatsu-Kin quase não possuem templos em toda Loivty, devido a pouca quantidade de bárbaros e do povo de Tatsu que preferem fazer seus cultos em sua própria região. Quanto aos deuses do Segundo Panteão vale ressaltar Mallin, que possui mais templos que várias divindades do Primeiro Panteão, devido ao seu poder com a magia, Lonndonair, que muitos magos acham que pedindo auxílio a Ele facilitará a memorização de suas magias, e por último a Rarpis e Queromed.



Fonte: http://morgdan.wikidot.com/loivty

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Verá com melhor nitidez esse site, com os navegadores Mozilla Firefox ou Google Chrome.

Obrigada, pela visita. Beijos de luz violeta na alma.

Tempo real da Terra e da Lua